Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘A arte de amar’ Category

 

 s11

 

Não creio em histórias de amor…

Daquelas histórias que olhares, em frissom, se cruzam e se enxergam no meio de uma indiferente multidão que, apressada, não presta atenção em histórias de amor ocasionais que surgem enquanto cada um está de um lado da rua apenas aguardando o sinal fechar. 

Não creio em adocicadas e cobradas histórias de amor que acabam por sangrar em  lágrimas, dores, infinitos rancores, perguntas soltas no ar, poemas mal versados e, um corpo prostrado no colchão de um quarto qualquer que brinda a temporária desgraça em taça de cristal e um cigarro queimando em cinzas.

Amar, definitivamente, não doi…

Se, começar a doer, está na hora de desamar e a se amar.

(Beth Santana)

Read Full Post »

desejo.jpg

Para que perder tempo
em beijar suavemente tua boca,
assim como fazem os enamorados,
os sonhadores, os românticos, os apaixonados?

Não perderei o delírio do tempo
com insignificantes detalhes de amor.
Se, é com tua boca
que entro em labirintos de mim
quando me perco em você.

Passarei horas me perdendo na embriaguez
do doce do limão, do amargo da cana
que ainda escorre em teus lábios
e entorpece meu corpo.

Não quero minha boca em tua boca;
mas tua boca passeando em mim.

(by Beth Santana)

Read Full Post »

Corpo Nu

 

Antes que a porta se fechasse,
observei-te em corpo inerte,
em silêncio adormecido,
envolto em branco linho.

Entre o precisar partir e o querer ficar
apenas sorri com olhos arteiros,
deliciando-me no desenho de um corpo nu,
de uma perfeição profundamente adormecida.

Voltei.
E antes que a porta se fechasse
e o ranger dos trincos
rompessem o silêncio da madrugada;
com um leve beijo
despedi-me de mais uma noite.

Assim que abrisse novamente a porta
Não mais te encontraria
mas ainda restariam os mesmos lençois,
as mesmas fronhas;
um quarto ainda bagunçado das noites anteriores.

(by Beth Santana)

Read Full Post »

 

 

Arte de Amar
(Manoel Bandeira)

 

Se queres sentir a felicidade de amar, esquece a tua alma.
A alma é que estraga o amor.
Só em Deus ela pode encontrar satisfação.
Não noutra alma.
Só em Deus – ou fora do mundo.
As almas são incomunicáveis.
Deixa o teu corpo entender-se com outro corpo.
Porque os corpos se entendem, mas as almas não.

 

Read Full Post »